Pesquisar no site

Miastenia Gravis

O que é miastenia grave?

Miastenia grave é uma doença que impede a comunicação natural entre nervos e músculos e causa fraqueza e fadiga incomuns

A miastenia grave (miastenia gravis) é uma doença crônica caracterizada por fraqueza muscular e fadiga rápida quando o músculo é exigido. Esse cansaço tende a aumentar com o esforço repetitivo e a diminuir com o repouso.

As palavras “Myasthenia gravis” têm origem grega e latina, “mys” = músculo, “astenia” = fraqueza e “gravis” = pesado, severo. Daí o nome, que significa fraqueza muscular grave. É causada por uma súbita interrupção da comunicação natural entre nervos e músculos.

Aparece mais frequentemente como uma doença autoimune – causada pelo ataque de anticorpos às fibras musculares, impedindo a sua contração. Como resultado, as fibras musculares afetadas acabam se atrofiando ou se degenerando, causando dificuldades para realizar movimentos como abrir e fechar os olhos, falar, mastigar, engolir, mover a cabeça, pegar, andar.

Há também formas congênitas de miastenia, adquiridas por herança genética (no nascimento)
Nessas formas, um ou mais genes – que são como receitas para a construção de proteínas no nosso organismo – apresentam mutações, que resultam em má-formação de estruturas nos nervos ou nos músculos e, consequentemente, em dificuldades para realizar movimentos.Os sintomas mais comuns são:

  • Visão dupla
  • Ptose palpebral (pálpebras caídas)
  • Dificuldade para falar ou engolir
  • Cansaço ao mastigar
  • Dificuldade para respirar
  • Dificuldade de sustentação da cabeça
  • Fraqueza nos músculos dos braços e pernas
  • Cansaço rápido depois de movimentos repetitivos

O tratamento pode ser dividido em três fases:

1- Tratamento sintomático

Cerca de 10% dos miastênicos podem ser tratados somente com medicamentos que combatem apenas os sintomas da doença, como fraqueza muscular, fadiga extrema, entre outros.

Explicando melhor: Quando desejamos, por exemplo, falar ou piscar, o cérebro lança um comando que viaja pela medula, passando pelos nervos até chegar ao músculo que fará o movimento ou a ação pretendida. A informação que sai do cérebro é levada por esse caminho por um neurotransmissor, chamado acetilcolina.

Quase todos os miastênicos produzem anticorpos contra o receptor da acetilcolina. Então, ao tomar piridostigmina, que é o usado até mesmo pelo SUS, o paciente tem sua quantidade de acetilcolina aumentada, o que reduz os sintomas da MG, mesmo sem realmente tratar a causa da doença.

2- Tratamento de manutenção

Aproximadamente 90% dos pacientes de Miastenia Gravis precisam do tratamento de manutenção, geralmente associado à piridostigmina.

O medicamento mais usado para isso é corticoide, principalmente prednisona, prednisolona. Apesar de eficaz, corticoides têm efeitos colaterais, se usados por longo período e, principalmente, em doses elevadas. Nesses casos, pode levar a diabetes, catarata, osteoporose, obesidade e/ou estrias.

Para pacientes com efeitos colaterais intoleráveis, o recomendado é o uso de imunossupressores, mas estes têm efeito ainda mais demorado como a azatioprina, por exemplo.

Os imunossupressores agem como “poupadores” de corticoide, pois também diminuem a produção de anticorpos, levando à necessidade de menor dose de corticoide ou até mesmo substituindo-o completamente.

A associação de imunossupressor com corticoide faz com que o efeito da prednisona, por exemplo, seja amplificado.

3- Tratamento de emergência

A crise miastênica é o quadro mais grave da MG. Ela pode ter uma causa específica, como uma infecção, e quanto mais grave essa infecção, maior o risco de crise miastênica.

Quando o paciente está em crise miastênica ou apresenta alto risco para tal, há a necessidade de acabar rapidamente com os anticorpos destruidores do receptor da acetilcolina.

Para esses casos, há dois tratamentos mais usados. Um deles é injetar imunoglobulina na veia do paciente, medicamento que vai anular os anticorpos existentes e interromper a produção dos mesmos. Por ser uma dose alta, a imunoglobulina intravenosa costuma ser dividida em cinco dias. O efeito ocorre dentro de uma semana e dura cerca de um mês.

O outro tratamento é a plasmafarese, que é um processo que filtra o plasma – a parte do sangue onde ficam os anticorpos. São necessárias cinco sessões, geralmente num período de 10 a 15 dias. O efeito costuma vir também dentro de uma semana, e dura por tempo parecido com o da imunoglobulina.

Esses tratamentos exigem internação hospitalar ou, pelo menos, o uso de hospital dia. Isso porque o processo deve ser lento e controlado, além de poder causar algum processo alérgico ou outro efeito colateral, o que é raro.

Quando a cirurgia é uma alternativa

A Miastenia Gravis pode ser uma doença secundária ao câncer de timo, uma glândula que faz parte do nosso sistema imunológico. O timo é bem pequeno e fica localizado entre os pulmões e à frente do coração, o mediastino. Se ele não funciona bem, aumenta o risco de infecções e de doenças autoimune, como a miastenia.

Em torno de 10% dos miastênicos têm tumor de timo (timoma). Esses pacientes produzem anticorpos para combater o tumor, que acabam também reconhecendo o receptor de acetilcolina erroneamente como um “invasor”. Em 100% dos casos de suspeita de timoma, com ou sem mistaenia, a recomendação é a retirada completa do timo (timectomia).

A cirurgia de timo, entretanto, também pode ser muito bem indicada para pacientes sem tumor, como nos casos refratários (em que não se consegue compensar o quadro com doses baixas do tratamento de manutenção). Porém, há pré-requisitos: o paciente deve ser diagnosticado positivo para os anticorpos, ter a doença há poucos anos e não ser muito idoso.

Retirar o timo não tem resultado imediato, e o paciente deve continuar tomando os remédios. O efeito da cirurgia pode demorar de seis a 18 meses, quando alguns pacientes podem parar com a medicação, enquanto outros têm a dose diminuída.

Timectomia robótica

O procedimento mais indicado para a retirada do timo é a Cirurgia Torácica Robótica: é uma cirurgia que é feita com o uso do sistema cirúrgico da Vinci® (Intuitive Surgical EUA), um dispositivo robótico sofisticado que, como na vídeo cirurgia, permite o acesso do cirurgião dentro da cavidade torácica através de pequenas incisões de 1 cm. O cirurgião controla os movimentos do robô a partir de um console dentro da sala de cirurgia. O uso desta técnica combina a visão 3D de alta definição (HD) com o movimento articulado das pinças EndoWrist® permitindo:

  • Maior precisão de movimentos: o sistema filtra o tremor das extremidades das mãos que podem ser gerados pelos próprios batimentos cardíacos do cirurgião;
  • Maior agilidade e controle: aumentam a amplitude de movimentos dos instrumentos cirúrgicos, que são articulados e simulam os movimentos de nossos punhos e mãos, em áreas extremamente pequenas, aumentando a capacidade do cirurgião de realizar ângulos dentro da cavidade torácica;
  • Maior eficiência cirúrgica: com uma visão 3D e os movimentos ampliados, a capacidade de dissecar estruturas delicadas aumenta sensivelmente, facilitando cirurgias oncológicas que antes eram realizadas com grandes aberturas do tórax.


Ficou com alguma dúvida?

Entre em CONTATO, ou envie um WhatsApp no botão verde ao lado

Curtiu? Compartilhe!
Postado em Atuações
error: Este conteúdo está protegido !!