Pesquisar no site

Hiperidrose

Hiperidrose é uma condição médica na qual a pessoa transpira excessivamente e de forma imprevisível, maior que as próprias necessidades fisiológicas do corpo. A doença de causas ainda desconhecidas atinge atualmente cerca de 6 milhões de pessoas apenas em nosso país.

Pessoas com Hiperidrose podem suar mesmo quando a temperatura é amena ou quando estão em repouso.

Locais mais comuns de Hiperidrose localizada: crânio-facial, axilar, palmar, inguinal e plantar.

Além de ser uma condição médica, a Hiperidrose causa angústia e ansiedade em seus portadores, já que a transpiração excessiva aparece sob a forma de manchas nas roupas e mãos úmidas, causando constrangimentos nas relações profissionais e pessoais. O stress gerado em resposta a essas emoções pode agravar o quadro. Geralmente a Hiperidrose surge na infância e agrava-se com o passar do tempo, principalmente no inicio da adolescência


Hiperidrose PALMAR E AXILAR

A transpiração ajuda o corpo a perder calor. Na maioria dos casos, é perfeitamente natural. Pessoas suam mais em temperaturas quentes, sob a realização de exercício ou em resposta a situações que as deixam nervosas, irritadas, envergonhadas ou com medo, ou seja, situações onde há liberação de adrenalina pelo sistema nervoso autonômico simpático.

No entanto, em algumas pessoas uma resposta deste sistema em excesso causa transpiração excessiva e na maioria das vezes um suor incontrolável, podendo levar a um desconforto significativo, tanto físico como emocional. Em alguns casos pode haver até limitação profissional como por exemplo: músicos, trabalhadores da área da saúde, advogados, etc.

Quando a transpiração excessiva afeta as mãos, pés e axilas, ela é chamada Hiperidrose primária ou focal. A Hiperidrose primária afeta 2-3% da população, mas menos de 40% dos pacientes com esta condição procura assistência médica. Na maioria dos casos de Hiperidrose primária, nenhuma causa pode ser encontrada, parecendo ter causa congênita.

Se a sudorese ocorre como resultado de uma outra condição médica, é chamado de hiperidrose secundária. O suor pode ser por todo o corpo, ou em uma área localizada, que podem ser causadas pelas seguintes condições:

  • Hipertireodismo
  • Condições de ansiedade
  • Certos medicamentos e substâncias de abuso tóxico (dipirona, anfetamina, por exemplo)
  • Controle dos distúrbios de glicose
  • Menopausa
  • Doença cardíaca
  • Doença pulmonar
  • Lesão da medula espinhal
  • Tuberculose ou outras infecções

Sintomas

O principal sintoma da Hiperidrose é o suor em excesso com ou sem repercussão social. Quando há limitação social bem estabelecida, uma avaliação especializada é indicada para tratamento definitivo com o objetivo de melhorar a qualidade de vida do portador desse distúrbio. O Quadro pode ser acompanhado de rubor facial e um sentimento de embaraço ,que frequentemente, é seguido de uma forte vontade de escapar da situação que os originou. Este momento caracteriza uma situação denominada fobia social.

Exames e Testes

Sinais visíveis de sudorese pode ser observado durante a visita a um médico. Uma série de testes também podem ser usados para diagnosticar a transpiração excessiva como um simples teste de papel. Um papel absorvente é colocado sobre a área afetada para absorver o suor, e depois pesado para avaliar o suor acumulado.

Outros sintomas podem estar presentes, por exemplo:

  • Perda de peso
  • Batimentos cardíacos acelerados
  • Mãos frias ou úmidas
  • Febre
  • Falta de apetite

Tratamento

Antitranspirantes. Produtos que contêm 10% a 15% de cloreto de alumínio hexa-hidratado são a primeira linha de tratamento para a Hiperidrose axilar. Para alguns pacientes podem ser prescrito um produto que contenha uma maior dose de cloreto de alumínio, que é aplicado à noite para as zonas afetadas. Antitranspirantes pode causar irritação na pele e grandes doses de cloreto de alumínio pode danificar a roupa.

Medicamentos. Anticolinérgicos ajudam a prevenir a estimulação das glândulas sudoríparas. Embora eficaz para alguns pacientes, estas drogas não foram estudados, bem como outros tratamentos. Os efeitos colaterais incluem boca seca, tonturas e problemas com a micção. Beta-bloqueadores ou benzodiazepínicos podem ajudar a reduzir o stress relacionados com o suor mas não tratam a causa.

A toxina botulínica (Botox) pode ser utilizada no tratamento da Hiperidrose axilar severa. Pequenas doses da toxina botulínica purificada tendem a bloquear temporariamente os nervos que estimulam o suor. Os efeitos colaterais incluem dor no local da injeção e sintomas de gripe. Quando utilizada para a transpiração das palmas das mãos pode causar fraqueza local leve (temporária) e dor intensa. Esta opção de tratamento deve ser realizada a cada 4 meses aproximadamente e seu custo pode chegar a R$ 3.000,00 por sessão.

SIMPATECTOMIA TORÁCICA POR VIDEOTORACOSCOPIA

É um procedimento minimamente invasivo e cosmeticamente aceitável, pois a incisão é realizada na região axilar com um diâmetro de aproximadamente 4 mm. É tratamento definitivo mais recomendado. O procedimento é baseado tecnicamente em “desligar” o sinal que diz ao corpo a suar excessivamente. Geralmente é feito em pacientes com distúrbio social bem estabelecido e ou com limitação profissional pela Hiperidrose palmar ou axilar. A Hiperidrose palmar e axilar tratada com a Videotoracoscopia apresenta uma satisfação do paciente em cerca 97% dos casos.


Sobre a Cirurgia

Sob anestesia geral ou sedação, o cirurgião faz uma incisão pequena na região axilar com um diâmetro de aproximadamente 4 mm.
Através deles coloca-se um endoscópio (tubo fino com uma câmera em sua ponta) e uma ponta de bisturi harmônico, que vibra em alta velocidade e não gera calor, sendo capaz de ter a mesma precisão do laser.

A visualização do interior do tórax é feita por um monitor para de alta resolução (próprio para videocirurgia). Após a cirurgia, a pequena incisão é fechada com cola biológica. O paciente acorda da anestesia já com as mãos ou axilas secas. A cirurgia por Videotoracoscopia é menos dolorosa (desconforto menor), tem menos complicações no pós-operatório, podendo ser feito em regime de hospital dia. A recuperação requer um mínimo tempo de quatro dias.

A cirurgia pode causar efeitos secundários em 12% dos pacientes, como a sudorese compensatória. Se isso ocorrer, os pacientes podem experimentar sudorese excessiva geralmente nas costas, barriga, coxas ou pernas – ao invés das mãos e axilas.
Mesmo tendo um índice baixíssimo de complicações, certifique-se de discutir todos os potenciais riscos e efeitos colaterais com o seu cirurgião antes de decidir pelo tratamento cirúrgico.

Resultado estético após 5 dias de uma simpatetomia Uniportal

Algumas das causas da Hiperidrose podem ser graves. Consulte um médico se você tem sudorese excessiva com as características abaixo:

  • Transpiração prolongada, excessiva e inexplicável;
  • Distúrbio social causado pelo suor excessivo;
  • Sudorese associada ou não a dor ou pressão no peito;
  • Suor com perda ou ganho de peso;
  • Sudorese que ocorre mais frequentemente durante o sono;
  • Hiperidrose com febre, emagrecimento, dor no peito, falta de ar, ou um batimento cardíaco rápido: esses sintomas podem ser sinal de uma doença em evolução, como o hipertireoidismo.

Ficou com alguma dúvida?

Entre em CONTATO, ou envie um WhatsApp no botão verde ao lado

Referências

  1. Jeganathan R, Jordan S, Jones M, Grant S, Diamond O, McManus K, et al. Bilateral thoracoscopic sympathectomy: results and long-term follow-up. Interact Cardiovasc Thorac Surg. 2008;7(1):67-70.
  2. Munia MA, Wolosker N, Kauffman P, de Campos JR, Puech-Leão P. A randomized trial of T3-T4 versus T4 sympathectomy for isolated axillary hyperhidrosis. J Vasc Surg. 2007;45(1):130-3.
  3. Montessi J, Almeida EP, Vieira JP, Abreu Mda M, Souza RL, Montessi OV. Video-assisted thoracic sympathectomy in the treatment of primary hyperhidrosis: a retrospective study of 521 cases comparing different levels of ablation. J Bras Pneumol. 2007;33(3):248-54.
  4. Congregado M. Impact of videothoracoscopic sympathectomy in thoracic surgery. Future considerations [Article in Spanish]. Arch Bronconeumol. 2010;46(1):1-2.
  5. Lyra Rde M, Campos JR, Kang DW, Loureiro Mde P, Furian MB, Costa MG, et al. Guidelines for the prevention, diagnosis and treatment of compensatory hyperhidrosis. J Bras Pneumol. 2008;34(11):967-77.
  6. Dewey TM, Herbert MA, Hill SL, Prince SL, Mack MJ. One-year follow-up after thoracoscopic sympathectomy for hyperhidrosis: outcomes and consequences. Ann Thorac Surg. 2006;81(4):1227-32; discussion 1232-3.
  7. Claes G. Indications for endoscopic thoracic sympathectomy. Clin Auton Res. 2003;13 Suppl 1:I16-9.
  8. Leão LE, de Oliveira R, Szulc R, Mari Jde J, Crotti PL, Gonçalves JJ. Role of video-assisted thoracoscopic sympathectomy in the treatment of primary hyperhidrosis. Sao Paulo Med J. 2003;121(5):191-7.
  9. de Campos JR, Kauffman P, Werebe Ede C, Andrade Filho LO, Kusniek S, Wolosker N, et al. Quality of life, before and after thoracic sympathectomy: report on 378 operated patients. Ann Thorac Surg. 2003;76(3):886-91.
  10. Yazbek G, Wolosker N, Kauffman P, Campos JR, Puech-Leão P, Jatene FB. Twenty months of evolution following sympathectomy on patients with palmar hyperhidrosis: sympathectomy at the T3 level is better than at the T2 level. Clinics (Sao Paulo). 2009;64(8):743-9.
  11. Little AG. Video-assisted thoracic surgery sympathectomy for hyperhidrosis. Arch Surg. 2004;139(6):586-9; discussion 589.
  12. Munia MA, Wolosker N, Kaufmann P, de Campos JR, Puech-Leão P. Sustained benefit lasting one year from T4 instead of T3-T4 sympathectomy for isolated axillary hyperhidrosis. Clinics (Sao Paulo). 2008;63(6):771-4.
  13. Gossot D, Galetta D, Pascal A, Debrosse D, Caliandro R, Girard P, et al. Long-term results of endoscopic thoracic sympathectomy for upper limb hyperhidrosis. Ann Thorac Surg. 2003;75(4):1075-9.
  14. Baumgartner FJ, Toh Y. Severe hyperhidrosis: clinical features and current thoracoscopic surgical management. Ann Thorac Surg. 2003;76(6):1878-83.
  15. Licht PB, Pilegaard HK. Severity of compensatory sweating after thoracoscopic sympathectomy. Ann Thorac Surg. 2004;78(2):427-31.
  16. Licht PB, Jørgensen OD, Ladegaard L, Pilegaard HK. Thoracoscopic sympathectomy for axillary hyperhidrosis: the influence of T4. Ann Thorac Surg. 2005;80(2):455-9; discussion 459-60.
Curtiu? Compartilhe!
Postado em Atuações
error: Este conteúdo está protegido !!